O PDI, ou plano de desenvolvimento individual [1], é basicamente uma meta de desenvolvimento baseada em um skill, competência, valor ou comportamento que vai ser o foco do seu esforço de desenvolvimento em um período específico de tempo.

Idealmente, um PDI possui poucas áreas de desenvolvimento em um dado momento. É importante ter foco para não perder eficácia nos esforços. De maneira conceitual, essas áreas de desenvolvimento deveriam surgir da interação de duas grandes forças que atuam sobre um indivíduo na empresa: suas necessidades individuais e as necessidades da empresa.

As necessidades individuais afloram dos seus interesses (do que ele gosta), suas ambições de carreira (onde ele quer chegar) e seu atual mapa de forças e fraquezas (no que ele é melhor/pior). 

Um funcionário hipotético (vamos chamá-lo de Heitor) pode:

  • Hoje ser responsável por modelos financeiros em planilhas
  • Não ter muita paciência para/não dar muita atenção aos detalhes
  • Ser reconhecidamente muito bom com pessoas (people person)
  • Ter a ambição de se tornar um Diretor Financeiro um dia

Note que, se o Heitor pensar apenas nas suas necessidades, ele pode muito bem chegar à conclusão de que a atenção aos detalhes não é um foco de desenvolvimento agora: ele quer se tornar Diretor, e para essa posição gerencial, precisa potencializar seu jeito com pessoas em skills mais sólidos de liderança e gestão de pessoas.

Agora vamos às necessidades da empresa, que precisam ser levadas em conta. A empresa onde o Heitor trabalha tem:

  • Alguns bons gestores já prontos para assumirem cargos de liderança e aguardando a ida de um Gerente Sênior para um intercâmbio na Europa, que liberará algumas posições no organograma
  • Um valor de sua cultura que defende a importância da atenção dos detalhes em todos os níveis e funções (é uma empresa que produz jatos de passageiros - tipo a Boeing - e onde não há margem de erro)
  • Uma potencial mega fusão com um concorrente, que trará grande demanda sobre o time de modelagem para que sejam construídos modelos orçamentários combinados que serão usados no financiamento do negócio (justamente a área de atuação atual do Heitor)

Esse exemplo pode parecer exagerado, mas é o dia a dia de gestores e empresas do mundo todo, que precisam constantemente entender e negociar prioridades às vezes conflitantes em prol de um objetivo comum.

Portanto, converse com o seu gestor/liderado e tente entender onde está, na construção do seu PDI, a intersecção das necessidades individuais e das necessidades da empresa. É ali que ambos encontrarão maiores resultados.

[1] Diferentes empresas dão diferentes nomes ao PDI. Portanto não se assuste se na sua empresa ele se chamar Career Plan, Metas de Desenvolvimento, ou qualquer outro nome. O importante é o que ele representa.

Encontrou sua resposta?